Empreendedorismo

25/01/2021 / 8 meses ½ atrás

Golpe do boleto falso: como o código de barras pode te ajudar a não cair em armadilhas

Golpe do boleto falso: como o código de barras pode te ajudar a não cair em armadilhas

Fonte: Imagem do acervo do site Pixabay.

Sim, você precisa ter cuidado com os boletos que recebe!

 

Para a maioria dos brasileiros, o dinheiro nem sempre está sobrando. Existem contas de água, luz, internet, alimentação e telefone a serem pagas com o salário do mês e perder o mínimo que seja realmente faz falta.

 

Como uma série de truques antigos foi descoberta e a maioria da população já sabe identificar as principais fraudes, os golpistas estão sempre buscando uma nova maneira de aplicar suas façanhas.

 

A nova estratégia é o boleto falso. A pessoa recebe um boleto de uma cobrança que ela normalmente receberia, mas alguns dados são alterados e nem sempre verificamos esses dados antes de realizar o pagamento.

 

A surpresa surge quando a sua dívida não foi quitada mesmo depois de paga a dívida. A partir desse momento, você descobre que pagou um boleto falso. E agora? O que fazer ao receber ou pagar um boleto falso e como é possível identificar a falsificação?

 

Existem alguns aspectos que devem ser observados antes de pagar um boleto, principalmente o código de barras. O conteúdo que separamos para você irá te auxiliar a identificar um boleto falso através do código de barras e ao que pode ser feito, acompanhe!

                                                                      

 

                       

O que é um boleto bancário?     

 

O boleto bancário é um documento de título de cobrança emitido por um banco, que se refere ao pagamento de um produto ou serviço prestado por um fornecedor. Através do boleto, o beneficiário recebe em sua conta o valor referido no boleto.

 

Um boleto pode ser pago em qualquer instituição ou estabelecimento, desde que seja conveniado ao banco que gerou o boleto e até a data de vencimento, salvo em alguns casos especiais que detalham no boleto o valor de juros e taxas após o vencimento.  

 

A maioria dos bancos hoje em dia possui muitos convênios, o que permite que um boleto seja pago em caixas eletrônicos, internet banking e lotéricas, ao contrário de antigamente, em que um boleto só podia ser pago em lotéricas e agências bancárias.

 

Para os golpistas basta apenas conhecer um pouco de hacking e engenharia social para transformar seu boleto original em uma verdadeira mina de ouro. Com isso, eles utilizar para roubo e transferência de grandes quantias de dinheiro para um falso fornecedor.             

 

O que é o código de barras do boleto bancário?

 

O código de barras é um comando utilizado para automatizar o pagamento através de um leitor óptico que interpreta todos os dados. As barras presentes no código, em espessuras diferentes, servem para indicar ao leitor números de 0 a 9. Os números correspondentes a cada barra do código sempre estão descritos abaixo ou acima do código para digitação manual.

 

Ele funciona como uma representação gráfica que contém todas as informações do boleto, seu valor, data de vencimento, banco emissor e beneficiário. Porém, muitas vezes não transmite a informação necessária para pagar um boleto fora da data de validade e nesses casos só é possível pagar no banco emissor.

 

O objetivo do código de barras é assegurar dentro dele todas as informações importantes sobre o pagamento com segurança e agilidade. É possível validar todos os outros dados digitados no boleto através do código de barras e, por isso, ele é tão importante para identificar fraudes.       

 

Quais os tipos de código de barras? 

 

Um código de barras pode aparecer em diferentes lugares e tem diversas funcionalidades. Por isso, é necessário que haja mais de um tipo de código de barras, para se adequar as necessidades da aplicação.

 

Conheça os principais tipos de código de barras

 

EAN/UPC

 

Os códigos EAN/UPC são utilizados em comércio, pois são mais fáceis de serem lidos com agilidades pelos leitores.

 

Data Bar

 

Outro tipo de código que pode ser utilizado em comércios. Porém, é específico para produtos perecíveis, pois dentro do código estão as informações sobre a data de validade, serial e outros.

 

QR Code

 

É um código que vem ganhando bastante popularidade por ter a capacidade de comportar um URL. É semelhante a um texto através dos pontos da imagem e pode ser lido em smartphones e softwares.

 

 

Intercalado 2 de 5

 

É o código de barras padrão da Febraban para boletos. Os pares números são convertidos em 5 barras. Pode ser utilizado em armazéns, mercadorias, formulários, faturas e outros.

 

Como funciona o golpe do boleto falso?                         

 

De acordo com as pesquisas realizadas pela equipe de Pesquisa e Análise Global da Kaspersky, os criadores de boletos falsos executam suas ações através de trojans bancários ou malwares que roubam dados financeiros.

 

Um trojan bancário é um programa que acessa o seu dispositivo se passando por um programa legítimo, onde você é induzido a adicionar seus dados sem saber que é uma fraude. E o malware é um software malicioso desenvolvido para se infiltrar e corromper um dispositivo.

 

Para criar um boleto falso os criminosos têm utilizando trojans bancários, enquanto você faz o download através de uma loja ou conta. O trojan fica dentro do seu computador e modifica o código de barras do boleto, mantendo as outras informações para que não seja identificado.

 

Ao utilizar esse código modificado para realizar o pagamento você não irá pagar o fornecedor real, o dinheiro irá direto para a conta bancária de um golpistae você pode só se dar conta quando receber alguma alerta da origem real do boleto alegando que não foi quitado.

 

Por que o golpe do boleto falso é considerado estelionato? 

 

Antes de saber se o golpe do boleto falso é um estelionato, primeiro vamos entender o que é estelionato. De acordo com Código Penal Brasileiro, o crime de estelionato só é configurado mediante a prática de quatro requisitos obrigatórios. Sendo eles:

 

  • Obtenção de vantagem ilícita;
  • Causar prejuízo a outra pessoa;
  • Uso de meio de ardil ou artimanha;
  • Enganar alguém ou induzir ao erro.

 

É um crime doloso, ou seja, há intenção de lesar, sob pena de reclusão de um a cinco anos e multa.

 

Ao analisar o golpe do boleto falso, podemos perceber que o criminoso receberá um pagamento que não pertence a ele, através da adulteração de um documento de forma ardil, enganará e induzirá a vítima a fazer o pagamento, causando prejuízos financeiros.

 

Por isso, o golpe do boleto falso é considerado estelionato, já que se enquadra em todos os requisitos legais.

 

De quem é a responsabilidade? 

 

De acordo com o previsto no Código de Defesa do Consumidor, é dever do vendedor fornecer um ambiente seguro e de confiança para o cliente, garantindo a aquisição de bens e serviços, dentro das suas dependências, seja online ou física. Quando ocorre fraude em um boleto pode haver dois responsáveis pelo golpe.

 

Se o boleto for gerado online fora do sistema do banco, a responsabilidade não será do banco, pois o golpe não ocorreu dentro do seu ambiente. Nesse caso, o responsável é a loja que deverá fazer o ressarcimento.

 

Quando a compra é realizada em uma loja e o boleto falso foi emitido por um banco, o banco será responsabilizado e responderá pelos danos, além de ressarcir o valor.

 

Mas, existem casos em que o próprio consumidor pode ser responsabilizado. Isso pode ocorrer ao acessar links que foram recebidos de forma duvidosa ou sites com vírus.

O que fazer quando paga um boleto fraudado?

 

Se você pagou um boleto e recebeu com o passar dos dias uma cobrança, há possibilidade de você ter pagado um boleto fraudado. Então, o que fazer?

 

O primeiro passo deve ser tirar cópias do boleto que você pagou, incluindo o comprovante de pagamento.  Em seguida, registrar um boletim de ocorrência em uma delegacia. O segundo passo deve ser procurar a loja onde você realizou a compra e o banco fornecedor do boleto.

 

De acordo com o Código de Defesa do Consumidor (CDC), o fornecedor dos serviços e o banco devem ser responsabilizados pelo prejuízo, pois são os únicos que possuem acesso aos dados do consumidor.

 

Se a questão não for resolvida entre o banco e o fornecedor, o consumidor deverá procurar o Procon em sua cidade ou registrar uma reclamação no site Consumidor, do Ministério da Justiça.         

 

Outra opção para pedir o ressarcimento do prejuízo, é entrar com uma ação no Juizado Especial Cível (JEC). O pedido pode ser feito por dano moral ou material.

 

5 dicas para evitar cair no golpe do boleto falso     

 

Ninguém gostaria de estar em uma situação como essa. Por isso, separamos 5 dicas para te ajudar a evitar o golpe do boleto falso.    

 

1 - Cheque os dados do boleto     

 

Existem algumas características que podem ser facilmente identificadas em um boleto falso. Comece verificando se os dígitos finais do código de barras representam o valor do boleto. Em cobranças recorrentes, o valor geralmente é fixo, por isso, suspeite de alterações e variações inesperadas.

 

Também é muito importante conferir seus próprios dados pessoais, como CPF, nome completo, verifique se existem erros de português ou de formatação.

 

Todo boleto possui os primeiros dígitos do código referentes ao código do banco emissor do boleto. Confirme se esses dígitos são iguais. Para te ajudar listamos abaixo os códigos dos principais bancos, mas todos podem ser consultados no site da Febraban.

 

001 – Banco do Brasil S.A.

341 – Banco Itaú S.A.

033 – Banco Santander (Brasil) S.A.

652 – Itaú Unibanco Holding S.A.

237 – Banco Bradesco S.A.

104 – Caixa Econômica Federal

389 – Banco Mercantil do Brasil S.A.

422 – Banco Safra S.A.

                                              

2 - Verifique a origem do vendedor

 

Ao realizar uma compra, é sempre importante verificar a reputação da loja, principalmente se for online.

 

É possível consultar o CNPJ para confirmar se ela realmente existe através do site da Receita, se não constar não compre. Além disso, o Procon tem uma lista com lojas que não são confiáveis para comprar e que você pode consultar a partir da extensão CanBuy no Google Chrome.

 

Outra forma de verificar a origem do vendedor é acessando o Reclame Aqui. Muitos usuários ao passarem por experiências ruins deixam uma avaliação no site. A partir dela, é possível pesquisar pelo nome da loja e verificar uma série de comentários. Em casos de suspeitas de fraude é melhor não comprar.

 

 

 

Procure sempre evitar pagamentos em boletos online, mesmo que em lojas conhecidas. Ao invés disso, utilize plataformas como Mercado Pago e PagSeguro, que oferecerem mais segurança e podem ser acionadas em caso de problemas no pagamento.  

           

3 - Certifique-se que o site é seguro e evite Wi-Fi público       

 

Ao baixar um boleto, sempre fique atento, verifique se está realmente acessando a página oficial da loja ou banco, verifique se o endereço começa por HTTPS, que em português indica Protocolo de Transferência de Hipertexto Seguro.

 

Páginas confiáveis e seguras possuem o selo do certificado SSL, esse certificado assegura o site contra invasões e garante segurança nos documentos que estão sendo baixados. Existem algumas ferramentas online e gratuitas para verificar se o site possui o selo instalado corretamente, entre elas a GoDaddy.

 

Você deve evitar se conectar em redes públicas, pois elas são mais fáceis de sofrer um ataque, corromper e falsificar a página que você está baixando o boleto.

 

Em locais públicos é frequente o aparecimento dessas redes. Na pressa, não baixe um boleto dentro delas, pois um criminoso pode interceptar o acesso e alterar o seu boleto. Opte por baixar seus boletos em redes seguras, com senha ou através da internet móvel do celular.

 

4 - Baixe o boleto no site do credor         

 

Uma das formas mais comuns de receber um boleto falso é através de e-mails e mensagens que não vem dos meios de contato oficiais do credor. Sempre que possível faça o download dos boletos no site do próprio banco ou da loja que está fazendo a cobrança.

 

Desconfie dos e-mails que vem com assunto urgente, envolvendo o Serasa ou dívidas. Muitas vezes, são fraudulentos, usam esses títulos para despertar o interesse da vítima e a induzir a pagar sem antes verificar a origem do e-mail.

 

Além disso, seu e-mail pode te ajudar a identificar um spam, o Gmail, por exemplo, é uma boa plataforma anti-spam.                             

 

5 - Cuidado com o vírus do boleto                                              

 

Já explicamos como os trojans funcionam. No caso do vírus do boleto, é um malware, que pode estar instalado no computador. Quando um computador possui essa extensão maliciosa, os boletos gerados podem facilmente ter o código de barras alterado, criando um boleto falso que irá beneficiar o hacker.

 

Você pode combater o malware do seu computador utilizando um antivírus e realizando varreduras periódicas para assegurar que o dispositivo não está corrompido.

 

O vírus do boleto pode surgir também ao baixar em um computador de acesso público.

 

Quando muitas pessoas têm acesso ao mesmo dispositivo é difícil descobrir se alguma delas corrompeu o clicou acidentalmente em um link que instalou um malware na máquina. Por isso, evite baixar seus boletos nesses computadores.

 

 

Conta pra gente o que achou!

0 comentário

Deixe seu comentário

Comentário

Nome

E-mail

Quanto é 2 + 1?

NEWSLETTER

Digite seu e-mail

Não se preocupe, também não gostamos de SPAM :)